post-extintor

Cada situação de foco de incêndio necessita um determinado tipo de extintor. As informações sobre a substância armazenada e os diferentes usos em caso de incêndio devem estar no rótulo do extintor. De acordo com o engenheiro de combate ao incêndio Wagner Nespoli, antes da escolha do extintor e o local onde o item de segurança deve ser instalado, é preciso a realização de um projeto, considerando a área do imóvel, materiais e número de pessoas.

“Se a área for maior que 750 metros quadrados, por exemplo, é preciso ter um sistema fixo de combate ao incêndio, como alarme, brigada e também hidrantes”, exemplifica. O projeto deve seguir as regras da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e do Corpo de Bombeiros. Após ser implantado, um especialista deve retornar ao imóvel para fazer a pré-vistoria e verificar se a instalação foi feita da forma correta.

Com isso, é emitida a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART), quando o engenheiro se responsabiliza pelo sistema de combate a incêndio. A vistoria do Corpo de Bombeiros para a emissão do laudo pela corporação e do alvará deve ser solicitada em seguida.

Além da instalação, outros cuidados são importantes, segundo o Corpo de Bombeiros. “O indicador deve estar sempre na posição verde, o que significa que o extintor está carregado, e o equipamento deve estar lacrado e possuir o selo do Inmetro, que é quem fiscaliza as empresas que fazem a manutenção”, explicou o tenente da corporação Bruno Gobbo.

Tipos de extintor
Para cada situação de incêndio e material que está em chamas existe um tipo de extintor. É importante ter conhecimento dessas informações para manipulá-lo da forma correta e evitar acidentes ainda piores. Em outros casos, como fogo de material elétrico energizado, a água não pode ser usada para o combate ao fogo, porque é condutora de eletricidade, podendo aumentar o incêndio, assim como produtos químicos, como pó de alumínio, magnésio, carbonato de potássio, pois com a água reagem de forma a aumentar os riscos.

O engenheiro de combate ao incêndio Wagner Nespoli afirma que uma nova tendência no mercado é um extintor que pode combater fogo em madeira, papel, tecido, materiais sólidos em geral (classe A), líquido inflamáveis (classe B) e equipamento elétrico energizado (classe C). Além de ser menor e mais fácil de ser manuseado, é mais leve e possibilita que qualquer pessoa use (veja abaixo os tipos mais comuns de extintor).

– Extintor com água pressurizada: indicado para incêndios de classe A (madeira, papel, tecido, materiais sólidos em geral). A água age por resfriamento e abafamento, dependendo da maneira como é aplicada.

– Extintor com gás carbônico: indicado para incêndios de classe C (equipamento elétrico energizado), por não ser condutor de eletricidade. Pode ser usado também em incêndios de classes A e B.

– Extintor com pó químico seco: indicado para incêndio de classe B (líquido inflamáveis). Age por abafamento. Pode ser usado também em incêndios de classes A e C.

– Extintor com pó químico especial: indicado para incêndios de classe D (metais inflamáveis). Age por abafamento.

Matéria Publicada em: http://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2013/02/saiba-como-usar-o-extintor-correto-para-cada-tipo-de-incendio.html

Anúncios